Reinaldo confirma Paulo Passos como Procurador-Geral de JustiçaNotícia Anterior
CRESCE A OFERTA DE IMÓVEIS PARA LOCAÇÃO E VENDA EM NOVA ALVORADA DO SUL.Próxima Notícia
Notícias

Bairros continuam apresentando focos de reprodução do mosquito em Nova Alvorada do Sul.

Espaçamento entre linhas+- ATamanho da fonte+- Imprimir esta notícia
Bairros continuam apresentando focos de reprodução do mosquito em Nova Alvorada do Sul.

(Nova Alvorada do Sul)- Mato Grosso do Sul já atingiu mais de cinquenta mil casos de suspeita de dengue registrados só este ano, mas, apesar das várias campanhas veiculadas na mídia, em Nova Alvorada do Sul são vários os locais que oferecem todas as condições para que o mosquito Aedes Aegypt se reproduza com facilidade e continue ameaçando a população também com o zika vírus e a chykungunya.

No bairro Jaime Medeiros, a moradora Valquíria de Oliveira Santos reclama de carcaças de carros abandonados que acumulam água da chuva:” Muita gente joga latinhas de cerveja e copos plásticos no meio da rua e a gente faz o que pode para manter nossa casa protegida, mas esses carros jogados a gente não tem como tirar. Meu filho já pediu para a prefeitura tirar desde o ano passado, eles falam que vem mas  até hoje, nada.

Em outros locais do bairro, é possível observar montes de lixo acumulados, com baldes de plástico, latas de leite em pó e outros ambientes ideais para a reprodução do inseto que é adaptável, persistente e gosta de água limpa e parada. Ele coloca os ovos nas paredes desses criadouros, bem próximo à superfície da água, porém não diretamente sobre ela. Daí a importância de lavar, com escova ou palha de aço, os objetos onde pode haver focos.

Um ovo pode sobreviver em média por um ano no seco. Mesmo que o local onde ele foi depositado fique sem água, não significa que a ameaça acabou. Assim que encontrar umidade novamente o ovo volta a ficar ativo e pode se transformar em pupa, larva e, então, chegar à fase adulta em apenas sete dias.

É importante lembrar que o estado encerrou o ano de 2015 com 40.588 casos de dengue notificados e 16 mortes. Comparado a 2014, o número de notificações aumentou 338.5%, quando foram registrados 9.256 casos.

 

Por Humberto Beltran

Fotos: Assessoria de Imprensa

lixo

0 Comentários

Sem Comentários Esta postagem ainda não tem comentários

Comente agora, seja o primeiro!

Mas você pode ser o primeiro a deixar um comentário !

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *