Grupo italiano ensina basquete no São JuliãoNotícia Anterior
Prefeituras fecham as portas dia 10 para grande ato de manifestação contra crisePróxima Notícia
Notícias

Noticia em Tempo Real

Dólar sobe pelo quarto dia seguido e volta a fechar no maior valor em 12 anos

Espaçamento entre linhas+- ATamanho da fonte+- Imprimir esta notícia
Notícias relacionadas

Em meio a tensões na economia chinesa e a desconfiança em relação às metas fiscais no Brasil, a moeda norte-americana voltou a fechar no maior nível em 12 anos. O dólar comercial encerrou ontem (27) vendido a R$ 3,364, com alta de 0,51% (R$ 0,017). A cotação está no maior nível desde 27 de março de 2003, quando tinha fechado em R$ 3,386.

No início do dia, o dólar chegou a ser vendido a R$ 3,377. A alta desacelerou nas horas seguintes, mas em ritmo insuficiente para fazer a cotação cair em relação ao fechamento de sexta-feira (24). A divisa registra alta de 8,2% apenas em julho. No acumulado do ano, a cotação subiu 26,5%.

Desde que a equipe econômica anunciou a redução para 0,15% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) da meta de superávit primário (economia para pagar os juros da dívida pública), na semana passada, o dólar passou a subir. Segundo economistas ouvidos pela Agência Brasil, a possibilidade de o país perder o grau de investimento das agências de classificação de risco tem pressionado o câmbio.

Fatores externos também têm feito o dólar subir em todo o mundo. Nesta segunda-feira, a Bolsa de Valores de Xangai (China) caiu 8,48%, a maior queda diária desde 2007, por causa da divulgação de indicadores econômicos que mostram a desaceleração da segunda economia mundial. A primeira é a dos Estados Unidos.

O Gabinete Nacional de Estatísticas da China anunciou hoje que, em junho, os lucros das grandes empresas industriais do país diminuíram 0,3% em relação a igual período de 2014. Além disso, foi divulgado que a atividade industrial apurada este mês é a mais baixa desde abril do ano passado, ampliando os receios que o abrandamento da economia mundial chinesa seja maior do que se esperava.

Em 2014, o Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas) da China cresceu 7,4%, o valor mais baixo dos últimos 24 anos. No primeiro semestre de 2015, o crescimento caiu para 7%. A China é o principal comprador de commodities (bens agrícolas e minerais com cotação internacional) do Brasil. Crises econômicas no país asiático indicam a possibilidade de ampliação da queda das exportações brasileiras, o que pressiona o dólar aqui.

Agência Brasil

0 Comentários

Sem Comentários Esta postagem ainda não tem comentários

Comente agora, seja o primeiro!

Mas você pode ser o primeiro a deixar um comentário !

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Economia

Em palestra na Expo Paraguai-Brasil, Longen reforça viabilidade do Indústria Sem Fronteiras

Em palestra na Expo Paraguai-Brasil, Longen reforça viabilidade do Indústria Sem Fronteiras   0

Em palestra realizada nesta terça-feira (24/10), durante a 9ª edição da Expo Paraguai-Brasil, em Assunção, capital do Paraguai, o presidente da Fiems, Sérgio Longen, destacou o projeto Indústria Sem Fronteiras, [...]

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner