Ministro garante a Reinaldo que invasões serão combatidas com rigorNotícia Anterior
LDO que prevê orçamento de R$ 13,9 bi para 2016 em MS será votada hojePróxima Notícia
Notícias

Empresa diz que atraso na obra do Aquário contribuiu para morte de peixes

Espaçamento entre linhas+- ATamanho da fonte+- Imprimir esta notícia
Empresa diz que atraso na obra do Aquário contribuiu para morte de peixes
Notícias relacionadas

Presidente da Fundect, Marcelo Turine diz que empresa não cumpriu cláusulas do contrato (Foto: Fernando Antunes).

O diretor da Anambi, empresa responsável por cuidar dos peixes do Aquário do Pantanal, Geraldo Augusto da Silva, nega que falha técnica na execução do projeto tenha sido a causa da morte dos peixes e que a empresa não tenha cumprido com cláusulas do contrato. Ele atribui o problema ao atraso no cronograma da obra física. “O objetivo do contrato era elaborar projeto para a sobrevivência dos peixes no Aquário e não na quarentena, na quarentena não existe protocolo”, afirmou.

Após reunião na tarde de hoje na sede da Fundação, presidente da Comissão criada pela Assembleia para acompanhar a obra do Aquário do Pantanal, Lídio Lopes (PEN), afirmou que relatórios da Anambi são conflitantes e que houve falha técnica na execução do projeto pela empresa. O presidente da Fundect, Marcelo Turine, afirmou que além de cometer falha técnica a Anambi não cumpriu com cláusulas do contrato.

Silva conta que pelo cronograma, chegando em Campo Grande em dezembro, os peixes entrariam em quarentena e em janeiro ou fevereiro iriam para o Aquário, mas isso não ocorreu porque os tanques não estavam prontos. “Perguntei várias vezes para a Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado) que hora que entregaria os peixes para o Aquário com os devidos protocolos, mas a Fundect não nos informava”, afirmou. Ele diz ainda, que pelo Manual da Fundação, a empresa tem até o fim deste mês para apresentar todos os relatórios e isso será feito.

Quanto aos recursos, Geraldo Augusto da Silva diz que o contrato estabelece que a contrapartida de R$ 500 mil não é em dinheiro, mas sim nos gastos com pessoal e realização de análises das água, por exemplo. O diretor também contesta a informação de que o bloqueio do repasse financeiro pela Fundação em abril tenha sido motivado por irregularidade técnica, como pagamento de pessoa física. “No documento que eles no entregaram falam que o bloqueio era para uma avaliação técnica, em momento algum falaram que o motivo é o pagamento a pessoa física”. Geraldo explica que realmente o recurso seria usado também para o custeio do treinamento e qualificação dos profissionais contratados, num total de 35.

Silva explica que com o pagamento de salários gastava por mês R$ 90 mil, sendo que 90% dos recursos repassados pela Fundação era para a manutenção da estrutura. Com relação a morte dos mil peixes que estavam sendo trazidos de Manaus, Geraldo afirma que realmente eles foram incluídos no inventário, o que é normal, para que se possa apresentar o motivo da morte deles. O diretor será ouvido às 15h desta quarta-feira, na Assembleia Legislativa, pelos deputados que fazem parte da Comissão criada para acompanhar a obra do Aquário do Pantanal. Fazem parte dessa Comissão os deputados Lídio Lopes, Angelo Guerreiro (PSDB), Amarildo Cruz(PT) e Renato Câmara (PMDB). O grupo é presidido pelo deputado do PEN.

CG News

0 Comentários

Sem Comentários Esta postagem ainda não tem comentários

Comente agora, seja o primeiro!

Mas você pode ser o primeiro a deixar um comentário !

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *