Delcídio pode ser acusado de receber propinas da PetrobrasNotícia Anterior
Funcionária de posto de saúde causa revolta ao gritar com pacientesPróxima Notícia
Notícias

Inflação desacelera na capital de MS e chega a 0,25% em agosto, diz IBGE

Espaçamento entre linhas+- ATamanho da fonte+- Imprimir esta notícia
Inflação desacelera na capital de MS e chega a 0,25% em agosto, diz IBGE
Notícias relacionadas

Tubérculos como a batata tiveram queda 14,42% em agosto.

A inflação aliviou o bolso do sul-mato-grossense em agosto, caindo para 0,25% em agosto. Conforme divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (10), o acumulado do ano em Campo Grande alcançou 6,61%.

Em julho, a inflação era de 0,52%. Em 12 meses, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve uma variação de 10,17%. Entre as capitais, Campo Grande tem o quinto maior IPCA em agosto, assim como Vitória (ES).

O que ficou mais barato e mais caro

Em agosto, na comparação com o mês anterior, entre tudo o que ficou mais barato, tubérculos, raízes e legumes chamaram a atenção, já que seus preços sofreram redução de 14,42%.

O pescado também teve queda nos preços (-2,92%). Todos esses itens integram o grupo de despesas com alimentação e bebidas, cuja variação passou de 0,02%, em julho, para -0,76% no mês seguinte.

Mas se a alimentação sofreu redução, os combustíveis ficaram mais caros. O etanol subiu 9,12% e a gasolina ficou 6,44% mais cara. O custo para ter um carro próprio também subiu, para 0,62%.

Os artigos para o lar também diminuíram de julho para agosto (de 0,80% para -0,22%). Os destaques ficaram com eletrodomésticos e equipamentos (-1,66%) e consertos e manutenção (-0,70%). Mas nem tudo ficou mais em conta. Utensílios e enfeites, por exemplo, subiram 1,53%; e casa, mesa e banho, 0,68%.

Os gastos com habitação sofreram forte desvalorização, de 2,29% para -0,02%. A energia elétrica, que desde maio vinha subindo, caiu 0,52%. A mão de obra para pequenos reparos também ficou mais barato em agosto, caindo 0,23%. Dentro desse grupo, avançaram os preços do aluguel e taxas (0,85%) e artigos de limpeza (0,20%).

Nos grupos restantes, as despesas pessoas tiveram a segunda maior alta, puxadas principalmente por fotografia e filmagem, que ficaram 1,22% mais caros. O vestuário subiu 0,54%, saúde e cuidados pessoais sofreram alta de 0,27%, educação ficou 0,24% mais caro e a comunicação subiu 0,16%.

INPC

O IBGE também divulgou nesta quinta-feira o comportamento do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que também desacelerou, de 0,56% para 0,18%. No ano, o indicador acumula alta de 6,64% e nos últimos 12 meses, de 10,01%. Em agosto de 2014, o INPC foi de -0,13%.

Do G1 MS

0 Comentários

Sem Comentários Esta postagem ainda não tem comentários

Comente agora, seja o primeiro!

Mas você pode ser o primeiro a deixar um comentário !

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Economia

Em palestra na Expo Paraguai-Brasil, Longen reforça viabilidade do Indústria Sem Fronteiras

Em palestra na Expo Paraguai-Brasil, Longen reforça viabilidade do Indústria Sem Fronteiras   0

Em palestra realizada nesta terça-feira (24/10), durante a 9ª edição da Expo Paraguai-Brasil, em Assunção, capital do Paraguai, o presidente da Fiems, Sérgio Longen, destacou o projeto Indústria Sem Fronteiras, [...]