Delcídio pode ser acusado de receber propinas da PetrobrasNotícia Anterior
Funcionária de posto de saúde causa revolta ao gritar com pacientesPróxima Notícia
Notícias

Noticia em Tempo Real

Inflação desacelera na capital de MS e chega a 0,25% em agosto, diz IBGE

Espaçamento entre linhas+- ATamanho da fonte+- Imprimir esta notícia
Inflação desacelera na capital de MS e chega a 0,25% em agosto, diz IBGE
Notícias relacionadas

Tubérculos como a batata tiveram queda 14,42% em agosto.

A inflação aliviou o bolso do sul-mato-grossense em agosto, caindo para 0,25% em agosto. Conforme divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (10), o acumulado do ano em Campo Grande alcançou 6,61%.

Em julho, a inflação era de 0,52%. Em 12 meses, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve uma variação de 10,17%. Entre as capitais, Campo Grande tem o quinto maior IPCA em agosto, assim como Vitória (ES).

O que ficou mais barato e mais caro

Em agosto, na comparação com o mês anterior, entre tudo o que ficou mais barato, tubérculos, raízes e legumes chamaram a atenção, já que seus preços sofreram redução de 14,42%.

O pescado também teve queda nos preços (-2,92%). Todos esses itens integram o grupo de despesas com alimentação e bebidas, cuja variação passou de 0,02%, em julho, para -0,76% no mês seguinte.

Mas se a alimentação sofreu redução, os combustíveis ficaram mais caros. O etanol subiu 9,12% e a gasolina ficou 6,44% mais cara. O custo para ter um carro próprio também subiu, para 0,62%.

Os artigos para o lar também diminuíram de julho para agosto (de 0,80% para -0,22%). Os destaques ficaram com eletrodomésticos e equipamentos (-1,66%) e consertos e manutenção (-0,70%). Mas nem tudo ficou mais em conta. Utensílios e enfeites, por exemplo, subiram 1,53%; e casa, mesa e banho, 0,68%.

Os gastos com habitação sofreram forte desvalorização, de 2,29% para -0,02%. A energia elétrica, que desde maio vinha subindo, caiu 0,52%. A mão de obra para pequenos reparos também ficou mais barato em agosto, caindo 0,23%. Dentro desse grupo, avançaram os preços do aluguel e taxas (0,85%) e artigos de limpeza (0,20%).

Nos grupos restantes, as despesas pessoas tiveram a segunda maior alta, puxadas principalmente por fotografia e filmagem, que ficaram 1,22% mais caros. O vestuário subiu 0,54%, saúde e cuidados pessoais sofreram alta de 0,27%, educação ficou 0,24% mais caro e a comunicação subiu 0,16%.

INPC

O IBGE também divulgou nesta quinta-feira o comportamento do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que também desacelerou, de 0,56% para 0,18%. No ano, o indicador acumula alta de 6,64% e nos últimos 12 meses, de 10,01%. Em agosto de 2014, o INPC foi de -0,13%.

Do G1 MS

0 Comentários

Sem Comentários Esta postagem ainda não tem comentários

Comente agora, seja o primeiro!

Mas você pode ser o primeiro a deixar um comentário !

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Economia

Em palestra na Expo Paraguai-Brasil, Longen reforça viabilidade do Indústria Sem Fronteiras

Em palestra na Expo Paraguai-Brasil, Longen reforça viabilidade do Indústria Sem Fronteiras   0

Em palestra realizada nesta terça-feira (24/10), durante a 9ª edição da Expo Paraguai-Brasil, em Assunção, capital do Paraguai, o presidente da Fiems, Sérgio Longen, destacou o projeto Indústria Sem Fronteiras, [...]

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner