Dourados é polo regional para mais de 800 mil pessoasNotícia Anterior
Projeto reserva um terço das vagas no Senado a mulheresPróxima Notícia
Notícias

Noticia em Tempo Real

Investimentos têm queda de 5,3% no segundo trimestre

Espaçamento entre linhas+- ATamanho da fonte+- Imprimir esta notícia
Investimentos têm queda de 5,3% no segundo trimestre
Notícias relacionadas

O desempenho dos investimentos teve peso na queda da economia brasileira no segundo semestre deste ano, informou hoje (20) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com os primeiros três meses do ano anterior, a Formação Bruta de Capital Fixo, total investido, caiu 5,3%.

Quando relacionados ao resultado do mesmo período do ano passado, os investimentos tiveram retração de 11,2%, o pior resultado desde o primeiro trimestre de 2009. Em números absolutos, foram investidos R$ 209,8 bilhões.

No primeiro semestre deste ano, a Formação Bruta de Capital Fixo acumula queda de 6,8% e, em 12 meses, comparados aos 12 meses anteriores, registra recuo de 0,7%. A gerente da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca de La Rocque, disse que houve queda entre os principais componentes dos investimentos, a indústria de construção e a de máquinas e equipamentos: “Os insumos consumidos pela construção caíram, e também houve queda do emprego no setor.”

Na indústria da construção civil, houve queda de 8,7% na comparação com o ano passado, a pior variação desde o primeiro trimestre de 2002. Quando considerados os três primeiros meses do ano, houve recuo de 2,9%.

Já a indústria de transformação caiu 5,5%, na comparação com o segundo trimestre de 2013, e 2,4% ante o primeiro deste ano. Além de pesar nos investimentos, o desempenho puxou a queda do setor industrial, que chegou a -1,5% na comparação com janeiro, fevereiro e março de 2014, e a -3,4% na relação com o ano passado. As importações de máquinas e equipamentos também recuaram, assim como os automotivos.

Entre as razões para o mau desempenho, estão a Copa do Mundo, de 12 de junho a 13 de julho, período em que muitas cidades decretaram feriados, e os resultados da indústria automotiva, que, segundo o IBGE, vem sendo prejudicada pela queda nas exportações para a Argentina e a Venezuela e pela baixa renovação da frota.

Outros fatores que pesam sobre o setor neste ano são a volta do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e o aumento da taxa básica de juros (Selic). “A Selic influencia porque bens de capital e de consumo duráveis dependem de financiamento e crédito”, disse Rebeca. No segundo trimestre do ano passado, a Selic estava em 7,5% e, neste ano, encontra-se em 10,9%.

Os resultados baixaram a taxa de investimento para 16,5% do PIB (Produto Interno Bruto), soma de todos os bens e serviços produzidos no país), a mais baixa desde 2006.

Cg News

0 Comentários

Sem Comentários Esta postagem ainda não tem comentários

Comente agora, seja o primeiro!

Mas você pode ser o primeiro a deixar um comentário !

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Economia

Em palestra na Expo Paraguai-Brasil, Longen reforça viabilidade do Indústria Sem Fronteiras

Em palestra na Expo Paraguai-Brasil, Longen reforça viabilidade do Indústria Sem Fronteiras   0

Em palestra realizada nesta terça-feira (24/10), durante a 9ª edição da Expo Paraguai-Brasil, em Assunção, capital do Paraguai, o presidente da Fiems, Sérgio Longen, destacou o projeto Indústria Sem Fronteiras, [...]

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner