Notícia Anterior
Política Ambiental  Ações inovadoras do governo vão provocar revolução no meio ambiente, diz Michel TemerPróxima Notícia
Notícias

Marun pede urgência na aprovação da reforma da Previdência

Espaçamento entre linhas+- ATamanho da fonte+- Imprimir esta notícia

O movimento “Renova Previdência”, que apoia a aprovação desta importante reforma para o país, se reuniu, na Câmara dos Deputados, com deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS), um ferrenho defensor das reformas, sobretudo das mudanças na aposentadoria brasileira.

A urgência na alteração das regras atuais da previdência foi fervorosamente defendida por Marun, na primeira audiência pública do movimento “Renova Previdência”, que a convite do parlamentar sul-mato-grossense reuniu mais de 50 representantes de diversos setores da sociedade.

Com o plenário lotado, o peemedebista lembrou que em 2016, as despesas com a previdência representaram mais de 57% de todo orçamento do Governo Federal e que em 10 anos representará mais de 80%.

Marun destacou que sem a reforma da Previdência o gasto com a seguridade social irá consumir quase toda arrecadação do orçamento federal, comprometendo a capacidade de investir em saúde, educação, segurança, habitação e transporte. “Somos críticos, somos homens públicos, mas somos responsáveis. E, por sermos responsáveis, entendemos que deve sim, haver uma modernização da nossa Previdência e estamos lutando para isso”, disse o deputado.

Reforma na Câmara

Para ser aprovada em plenário e encaminhada ao Senado, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 287/16) precisa ser votada em dois turnos. São necessários três quintos dos votos, ou seja, dos 513 deputados, 308 parlamentares precisam votar a favor do projeto.

Para o deputado Carlos Marun as mudanças feitas quando esteve à frente da presidência da Comissão Especial que discutiu a reforma da Previdência são moderadas e necessárias para que o Brasil mantenha as contas da Previdência em dia. “Não cabe a mim decidir quando a proposta será votada, mas garanto que é uma reforma menos rígida que a inicial e se a tornarmos ainda mais suave será prejudicial para o país”, afirmou o parlamentar.

 

0 Comentários

Sem Comentários Esta postagem ainda não tem comentários

Comente agora, seja o primeiro!

Mas você pode ser o primeiro a deixar um comentário !

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *