Governo corta mais de R$ 1 bilhão dos recursosNotícia Anterior
Janot chama Delcídio de ‘agente criminoso’ e aponta sede por poderPróxima Notícia
Notícias

PMDB dá primeiro sinal de que Azambuja não terá vida tão fácil em 2016

Espaçamento entre linhas+- ATamanho da fonte+- Imprimir esta notícia
PMDB dá primeiro sinal de que Azambuja não terá vida tão fácil em 2016
Notícias relacionadas

Desta vez a presidência não está em jogo e PMDB e PSDB farão um embate já no começo dos trabalhos na Assembleia Legislativa. Este é o primeiro sinal de que o ano não deve ser nada calmo entre o grupo de André Puccinelli (PMDB) e do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

A briga de blocos quase aconteceu neste ano, mas o chefe da Casa Civil, Sérgio de Paula, acabou convencendo o PMDB a abrir mão em troca da presidência da Assembleia. No lucro, o grupo de Puccinelli acabou aceitando ficar com a presidência e deixou para a chamada minoria (partidos com um ou dois deputados) a maioria das vagas para as comissões.

Com mais deputados na Assembleia, o PMDB teria direito a indicar dois dos cinco integrantes de cada comissão permanente na Casa, o que garante bom poder de decisão. Porém, Sérgio de Paula conseguiu criar o blocão entre partidos com poucos deputados, deixando duas vagas para eles e uma para PSDB, PMDB e PT.

Agora o PMDB quer brigar pelas duas vagas e o próprio presidente da Assembleia, Junior Mochi, já anunciou que pode formar um bloco para voltar a comandar as comissões. O anúncio deixa Azambuja em alerta, visto que somado a força do PT, hoje na oposição, eles teriam como derrubar até projetos na Casa.

O ano de 2016 pode ser decisivo na relação entre Azambuja e o PMDB. Além da eleição, quando os partidos devem brigar pelo comando das prefeituras, está em jogo o resultado da Operação Lama Asfáltica, que investiga a gestão de Puccinelli.

Peemedebistas até disfarçam, mas não engoliram o fato de Azambuja ter fornecido ao Ministério Público uma auditoria revelando suspeita de desvio de mais de R$ 11 milhões da gestão de Puccinelli. Curiosamente, a denúncia para que o governo investigasse teria partido do tio do secretário de Obras de Azambuja, Marcelo Miglioli.

O PMDB continua na base, mas há quem suspeite de que exista um acordo entre os dois grupos para uma paz. Todavia, o resultado da operação, que também é comandada pela Polícia Federal, pode acabar com este clima de amizade.

Midiamax

0 Comentários

Sem Comentários Esta postagem ainda não tem comentários

Comente agora, seja o primeiro!

Mas você pode ser o primeiro a deixar um comentário !

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *