Batata e pão francês puxam leve alta da cesta básica em Campo GrandeNotícia Anterior
Prazo de inscrição no Fies do segundo semestre termina nesta quintaPróxima Notícia
Notícias

Por crise, Olarte declara ponto facultativo na próxima segunda

Espaçamento entre linhas+- ATamanho da fonte+- Imprimir esta notícia
Por crise, Olarte declara ponto facultativo na próxima segunda
Notícias relacionadas

Expectativa é que 95% dos prefeitos façam o mesmo.

O prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), aderiu ao protesto dos chefes dos Executivos sul-mato-grossenses e declarou ponto facultativo às repartições municipais na próxima segunda-feira (10), quando será o lançamento da campanha de Conscientização da População acerca da crise que assola as gestões das cidades. Conforme publicação do Diário Oficial desta quarta-feira (5) o disposto não se estende às unidades e serviços considerados essenciais no atendimento ao cidadão.

A campanha será lançada às 9h na sede da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) e segundo o presidente, prefeito de Nova Alvorada do Sul, Juvenal Neto (PSDB), 95% dos prefeitos também declararão ponto facultativo e virão à reunião em busca de soluções à crise econômica. Juntos, os gestores vão entregar carta à bancada federal pedindo ajuda na pressão ao Governo Federal para liberação de repasses.

“Convidamos todos os deputados federais, os três senadores e o governador Reinaldo Azambuja. Queremos o máximo de empenho para o cumprimento do Pacto Federativo. A reunião vai servir ainda para esclarecermos à população nossa situação. Vamos parar todos os serviços, deixar só o essencial”, disse o tucano.

Hoje ocorre em Brasília a ‘mobilização permanente’ promovida pela CNM (Confederação Nacional de Municípios) para pressionar a União no repasse de recursos. Neto conta que cerca de 500 gestores estará amanhã na Capital Federal reivindicando liberação dos “restos a pagar” referentes a 2013/2014.

“São quase R$ 35 bilhões, só no estado R$140 milhões que são tanto de emendas quanto de obras que foram iniciadas e não terminaram por falta de repasse de verba. A situação é muito delicada”, explicou o tucano. Os administradores têm a expectativa de se reunirem com o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), bem como com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), para que eles levem as solicitações à presidente da República, Dilma Rousseff (PT).

“Também tem a questão do FPM que o governo federal ficou de aumentar em 2015 e 2015, mas ainda não foi cumprido. A situação é tão complicada que se comparar maio e julho houve queda de 26%”, disse referindo-se ao Fundo de Participação dos Municípios destinado a Nova Alvorada do Sul.

Midiamax

0 Comentários

Sem Comentários Esta postagem ainda não tem comentários

Comente agora, seja o primeiro!

Mas você pode ser o primeiro a deixar um comentário !

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *