Marun: Câmara aprova projeto que garante mais casas para pequenas cidadesNotícia Anterior
Senado aprova novas regras de financiamento habitacional com emenda de MarunPróxima Notícia
Notícias

Noticia em Tempo Real

Relator do Conselho de Ética quer ouvir Eduardo Cunha pessoalmente

Espaçamento entre linhas+- ATamanho da fonte+- Imprimir esta notícia
Relator do Conselho de Ética quer ouvir Eduardo Cunha pessoalmente

O deputado Marcos Rogério (DEM-RO), relator do processo disciplinar sobre o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no Conselho de Ética da Casa informou nesta quarta-feira (30) que pretende ouvir, pessoalmente, o peemedebista. O processo do qual Cunha é alvo no colegiado poderá resultar até na cassação do seu mandato.

Cunha argumenta que não mentiu à CPI da Petrobras quando disse, em março de 2015, que não possui contas no exterior. Segundo afirmou, as contas não estão em nome dele, mas sim de trustes.
O presidente da Câmara diz que não é dono, mas sim beneficiário dos recursos mantidos na Suíça.

O relator apresentou o seu roteiro de trabalho aos integrantes do conselho e disse que também pretende ouvir como testemunhas os investigados na Operação Lava Jato Alberto Youssef, Julio Camargo, Fernando Baiano, Leonardo Meirelles, Eduardo Musa e João Henriques, que, em seus depoimentos à força-tarefa da Lava Jato, fizeram acusações a Eduardo Cunha.

Outras testemunhas que ele considera ouvir são o procurador do Banco Central, um auditor indicado pela Receita Federal e os empresários Ricardo Pernambuco e Ricardo Pernambuco, da Carioca Engenharia, que afirmaram ter pago propina a Cunha.

Do lado da defesa, serão arroladas como testemunhas o ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF) Francisco Rezek, dois advogados suíços, o professor de direito Tadeu de Chiara, o advogado Antônio Fernando de Souza (ex-procurador-geral e um dos advogados de Cunha), dois membros da Câmara de Comércio Brasil Zaire nos anos 80 e o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), relator da CPI da Petrobras.

A defesa de Cunha sustenta que o dinheiro gerido por empresas no exterior veio da venda de carne a países africanos como a República Democrática do Congo (antigo Zaire) e o Congo.

Na sessão desta quarta, destinada à apresentação do plano de trabalho sobre o processo, Marcos Rogério afirmou que a lista de testemunhas no caso pode mudar no curso das investigações em função, por exemplo, das informações que vierem do Banco Central, da Procuradoria-Geral da República e do Supremo Tribunal Federal.

As datas dos depoimentos ainda serão marcadas, mas o presidente do conselho, José Carlos Araújo (DEM-BA) disse que o colegiado que as tratativas para trazer Julio Camargo e Leonardo Meirelles, que estão presos, já estavam em andamento. Ele afirmou ainda que montará um cronograma em comum acordo com o relator.

Segundo a assessoria do conselho, como se tratam apenas de convites, que não têm o poder de uma convocação, que obriga o comparecimento da pessoa, o depoente poderá não aparecer.

Defesa

No último dia 22, Cunha apresentou sua defesa, e o processo entrou, oficialmente, na fase de coleta de provas. Desde então, passou a contar os 40 dias úteis que Marcos Rogério terá para analisar documentos e ouvir testemunhas até apresentar o relatório final, que pode recomendar desde a absolvição até a cassação do mandato parlamentar.
O prazo só termina em 18 de maio, mas o relator pode antecipar a apresentação do parecer.

Processo arrastado

O processo que investiga Cunha na Câmara se arrasta desde novembro do ano passado, quando a representação contra ele, de autoria da Rede e do PSOL, foi lido no Conselho de Ética.

Aliados do peemedebista se revezaram na apresentação de questões de ordem e recursos, a fim de postergar ao máximo o andamento das investigações.

Por causa das manobras de Cunha e aliados, a fase preliminar do processo durou mais de quatro meses e já é a mais longa que existiu em processos de cassação do Conselho de Ética. O maior golpe para os que queriam acelerar as investigações foi a destituição, em 9 de dezembro do ano passado, do primeiro relator, deputado Fausto Pinato (PRB-SP).
A substituição foi motivada por decisão do vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), que acolheu recurso do deputado Carlos Marun (PMDB-MS), segundo o qual Pinato não poderia ser relator por pertencer a um partido que integrou o bloco de legendas que apoiou a eleição de Cunha.

Com a decisão, a relatoria passou para Marcos Rogério, que elaborou parecer pela continuidade das investigações, aprovado em 15 de dezembro.

No entanto, em 22 de dezembro, o vice-presidente da Câmara deu nova decisão em benefício de Cunha – anulou a aprovação do parecer sob o argumento de que o Conselho de Ética deveria ter concedido prazo extra para que os aliados do peemedebista analisassem o parecer de Marcos Rogério.

A decisão de Waldir Maranhão só chegou ao Conselho de Ética em 3 de fevereiro, após o recesso do Legislativo. Com isso, o processo voltou à estaca zero. O parecer de Marcos Rogério só voltou a ser votado e aprovado quase um mês depois, em 2 de março.

G1

0 Comentários

Sem Comentários Esta postagem ainda não tem comentários

Comente agora, seja o primeiro!

Mas você pode ser o primeiro a deixar um comentário !

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Destaque

IPTU Premiado sorteou em Maracaju 2 Carros e 3 Motos

IPTU Premiado sorteou em Maracaju 2 Carros e 3 Motos   0

por Maracaju em Foco Na manhã desta quarta-feira 11-04 em frente ao Posto Central ocorreu o sorteio do IPTU Premiado que visou contemplar com prêmios os contribuintes que pagaram o tributo [...]

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner