Cesta básica de Campo Grande tem alta de 4,62% em maio, diz DieeseNotícia Anterior
Preço do leite sobe, mas não supera 2014Próxima Notícia
Notícias

Noticia em Tempo Real

Vendas no mês de maio caem 1,5% em relação a 2014

Espaçamento entre linhas+- ATamanho da fonte+- Imprimir esta notícia
Vendas no mês de maio caem 1,5% em relação a 2014
Notícias relacionadas

 Comércio aposta no Dia dos Namorados para vendas não caírem em junho.

Venda de presentes para o Dia das Mães deu fôlego para o comércio de Campo Grande, num ano em que as perspectivas de venda estão baixas devido à crise econômica nacional. Segundo divulgado nesta terça-feira (9) pela Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG), o mês de maio registrou alta de 5,4% nas vendas em relação aos números do mês anterior.

Porém, no comparativo de maio de 2015 com o mesmo período de 2014 houve queda de aproximadamente 1,5% no movimento. Para o presidente da ACICG, João Carlos Polidoro, a explicação para o baixo desempenho é o momento econômico do país. “Registramos baixo nível de confiança do consumidor, aumento de desemprego, reajustes frequentes de tarifas de energia e combustíveis, juros altos, elevações da inflação e da inadimplência. Tudo isso interfere negativamente no desempenho do varejo regional e em outras localidades do país”, explica.

“Sinalizamos uma recuperação no segundo trimestre em relação aos primeiros meses do ano que naturalmente são mais retraídos no varejo, devido à prioridade nos pagamentos de contas como IPTU, IPVA, matrículas escolares, e outras contas”, analisa o presidente da ACICG.

Os dados correspondem às comercializações a prazo, mediante crediário, e o cálculo do volume de vendas é baseado em uma amostra das consultas realizadas no banco de dados do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) da Capital.

EXPECTATIVA

A entidade que representa o comércio da Capital espera que este mês registre bons resultados para o encerramento do semestre. A expectativa é de aumento moderado para o Dia dos Namorados e junho ainda conta com festas juninas e férias escolares que indicam elevação do consumo em segmentos de entretenimento e alimentação. “A chegada do frio também colabora para o comércio de vestuário. Esperamos pelas baixas temperaturas”, afirma Polidoro.

Correio do Estado

0 Comentários

Sem Comentários Esta postagem ainda não tem comentários

Comente agora, seja o primeiro!

Mas você pode ser o primeiro a deixar um comentário !

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Economia

Em palestra na Expo Paraguai-Brasil, Longen reforça viabilidade do Indústria Sem Fronteiras

Em palestra na Expo Paraguai-Brasil, Longen reforça viabilidade do Indústria Sem Fronteiras   0

Em palestra realizada nesta terça-feira (24/10), durante a 9ª edição da Expo Paraguai-Brasil, em Assunção, capital do Paraguai, o presidente da Fiems, Sérgio Longen, destacou o projeto Indústria Sem Fronteiras, [...]

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner